Faça você mesmo

COMO REDUZIR OS CUSTOS DO SEU NEGÓCIO: 6 PASSOS (SEM PERDER QUALIDADE.)

                                                  Reduzir os custos do seu negócio

                                                 Reduzir os custos do seu negócio

Como reduzir os custos do seu negócio sem perder a qualidade? 

Mas calma ai, é possível fazer os dois? Sim! Hoje é possível encontrar uma série de ferramentas e serviços que podem auxilia-lo em diversas áreas da sua empresa, econimizando seus recursos e seu tempo.

Reduzir os custos não deve ser feito somente em momentos de crise, realizar um planejamento, pode fornecer aquela gordurinha extra para inovar seus serviços além de aumentar sua competitividade.

Então vamos dar algumas dicas para jogar sua empresa no próximo nível!


1. Analizar os custos mensais

Sabe aquela assinatura que você não usa ou não é bem aproveitada? Exatamente :D

É comum as empresas começarem a realizar cortes sem muito critério, com isso acabam prejudicando recursos importantes para o negócio. Para que isso não aconteça, é preciso sentar com a equipe (Administração e Financeiro) e entender o que está sendo utilizado.

Faça uma lista com todos os custos da empresa, assim, é possível visualizar com mais clareza o que é um custo supérfluo e o que impacta na qualidade do serviço.


2. Reveja seus fornecedores

           Reduzir os custos do seu negócio

           Reduzir os custos do seu negócio

Material de limpeza? Manutenção?

Depois que a análise dos custos foi feita, é hora de reduzir os custos em relação aos fornecedores, renegociar os preços. Dessa forma você garante a qualidade dos seus serviços e melhora a margem de lucro. 

Produtos podem variar o seu valor significantemente, é importante ter sempre mais de um fornecedor cadastrado para complementar seus pedidos.

Cuidado com essa parte, ela impacta diretamente na qualidade do seu serviço e como todos sabem o barato as vezes sai caro.
 

3. Mobilize a equipe para reduzir os custos

Os funcionários são o coração da empresa, por isso a comunicação interna é de extrema importância na definição das metas de economia, recompensar sua equipe pode ser uma boa forma de atingir os objetivos.

Aproveitar a iluminação natural, desligar ar condicionados em salas vazias, trocar as lâmpadas e eletrodomésticos por modelos econômicos podem gerar grandes economias.


4. Banco de horas

Adotar o banco de horas é uma boa saída para reduzir gastos com as equipes. Você consegue economizar nas horas extras, enquanto o empregado recupera seu tempo trabalhado com mais dias de folga, incluindo os dias nas férias ou prolongando feriados.


5. Renegociar dívidas e tarifas

Dívidas com credores podem ser renegociadas, é uma ótima alternativa para minimizar a taxa de juros e com isso os danos no faturamento. É preciso calcular bem se a empresa pode arcar com as condições financeiras para pagar a dívida nos termos negociados.

Cuidado também com as tarifas bancárias! Elas podem representar 1% do faturamento da empresa, por isso, negocie melhor as tarifas com o seu banco. Para ter sucesso é necessário estar com os pagamentos em dia e ter um bom controle de caixa.


6. Infraestrutura e tempo

           Reduzir os custos do seu negócio

           Reduzir os custos do seu negócio

Aluguéis altos e custos operacionais podem ser terceirizados com serviços de escritório virtual e coworking

Não é mais necessário se preocupar com qualquer probleminha que rodeia sua atividade, agora é possível focar realmente no que interessa: ganhar clientes e aumentar suas vendas.

Com um espaço de coworking você tem a disposição uma estrutura profissional compartilhada com outras empresas, reduzindo os custos com manutenção, eletricidade, internet entre outros! Além de fortalecer sua rede de contatos.

Coworkings podem fornecer:

  • Endereço comercial e fiscal em uma localização de alto nível
  • Alugueis personalizados que conseguem se adequar a realidade das empresas
  • Terceirização das contas de Luz, internet, telefone, faxina, etc.
  • Salas de reunião equipadas 
  • Manutenção da infraestrutura
  • Networking com eventos, palestras e atividades recreativas

Caso tenha interesse em saber mais, escrevemos uma matéria mostrando 5 motivos para colocar sua empresa em um coworking hoje.

Para ficar por dentro de mais dicas como essa, acesse nosso blog!

Ferramentas de Gestão: PDCA

O PDCA (Plan-Do-Check-Act ou Plan-Do-Check-adjust) é um método de gestão em quatro etapas usado para o controle e melhoria contínua de processos e produtos. Também é conhecido como o Ciclo Deming ou Ciclo Shewhart. Outra versão deste ciclo PDCA é OPDCA. O "o", significa observação ou, como algumas versões dizem, "Continuar na condição atual." Esta ênfase na observação e na condição atual tem correlção com a literature do  Lean manufacturing e com Sistema Toyota de Produção.

PLANEJAR

Estabelecer os objetivos e processos necessários para fornecer resultados de acordo com a as metas estabelecidas. Ao estabelecer expectativas de saída, a integridade e precisão da especificação também é alvo da melhoria.  

FAZER

Implementar o plano, executar o processo, fazer o produto. Coletar dados para mapeamento e análise para os passos seguintes de Checar e Agir.

CHECAR

Estudar os resultados reais (medidos e recolhidos na etapa do FAZER) e comparar com os resultados esperados (metas ou objetivos do "Plano") para identificar as diferenças. Identificar os desvios na execução do plano e também observar a adequação do plano para permitir a execução. Ao observar os dados gráficos é possível identificar as tendências ao longo de vários ciclos de PDCA e converter os dados coletados em informação. Essas informações serão preciosas para a próxima etapa AGIR.

AGIR

Se na etapa do Checar foi verificado que o plano implementado é uma melhoria para o padrão anterior (linha de base), então agora foi identificado um novo padrão (baseline) que vai ditar como a organização deve agir daqui para frente (novos padrões). Se na etapa do Checar foi identificado que o plano implementado não é uma melhoria, então o padrão existente (baseline) vai permanecer o mesmo. Em ambos os casos, se o cheque mostrou algo diferente do que o esperado (seja melhor ou pior), irão sugerir novos ciclos de PDCA. Alguns autores defendem que a fase do AGIR deve prever ajustes ou ações corretivas. No entanto, outros autores ponderam que seria um contrasenso o PDCA propor e decider sobre alterações alternativas sem passar pela fase do planejar, do fazer e do checar.

A metodologia do PDCA foi desenvolvida pelo Dr. W. Edwards Deming, que é considerado por muitos como o pai do controle do qualidade moderna; No entanto, ele mesmo sempre se referia ao PDCA como o "ciclo de Shewhart".

Várias iterações do ciclo PDCA são repetidas até que o problema seja resolvido.

Um princípio fundamental do método científico e PDCA é iteração uma vez por hipótese confirmada (ou negada), executar o ciclo novamente e ampliar o conhecimento ainda mais. A repetição do ciclo PDCA pode levar para mais perto do objetivo, em busca de uma uma operação perfeita.

PDCA também é conhecido como um sistema para o desenvolvimento de pensamento crítico. Na Toyota é chamado de "pessoas em construção antes de construir carros."  A Toyota e outras empresas de Lean propõem o uso de uma força de trabalho focada na resolução de problemas usando PDCA e capaz de inovar e se posicionar à frente da concorrência através das inovações. Isso faz com que seja criada uma cultura de solucionadores de problemas usando PDCA e uma cultura de pensadores críticos.

Deming continuamente enfatizou a iteração para um melhor sistema, daí PDCA deve ser repetidamente implementado em espirais para aumentar o conhecimento do sistema que converge para o objetivo final, cada ciclo mais perto do que o anterior. Esta abordagem baseia-se na crença de que nosso conhecimento e habilidades são limitados, mas sempre aprimorando.

 

 

Ferramentas de Gestão: Canvas Business Model

O Canvas é uma ferramenta de gestão estratégica usada para o desenvolvimento de novos modelos de negócios ou documentar modelos já existentes. Apresentada em forma de um gráfico visual, utiliza elementos que descrevem uma empresa ou produtos e aborda temas como infra-estrutura, clientes e finanças. Essa ferramenta auxilia as empresas a alinharem suas atividades.

 

Inicialmente proposto por Alexander Osterwalder, o Canvas Business Model, ou Business Model Canvas, pode ser impresso em uma superfície grande para grupos de pessoas esboçarem e discutirem conjuntamente sobre os elementos do modelo. Podem ser utilizados post-it ou marcadores para melhor ilustrar o trabalho.

 

É uma ferramenta prática que promove a compreensão, a discussão e a criatividade.

 

Algumas dicas para tornar seu Canvas Business Model mais didático e de fácil entendimento:

 

1.     Use post-its para cada um dos blocos do seu modelo. Isso faz com que as idéias sejam móveis.

2.     Abuse das palavras e imagens para descrever seus blocos do modelo e assim aumentar a compreensão do todo.

3.     Utilize diversas cores para dar mais clareza ao seu modelo de negócio. É muito útil codificar as cores de todos os elementos e relacionar a um segmento de cliente específico.

4.     Não se apaixone por sua primeira idéia. Tenha a mente aberta para esboçar modelos de negócios alternativos para o mesmo produto, serviço ou tecnologia.

5.     Inicie seu modelo a partir de uma tela em branco. Conte a história do seu negócio e vá preenchendo seu Canvas de acordo com os temas relacionados.

6.     Aprenda com os melhores! Mapeie cada novo e inovador modelo de negócio que você encontrar. Compreenda, aprenda e aplique no seu próprio modelo.

 

Nesse link você pode encontrar templates em branco para consturir seu Canvas https://de.pinterest.com/pin/90283167511483226/

 

Veja alguns vídeos que orientam como construir o Canvas Business Model.

 

http://www.businessmodelgeneration.com/canvas/bmc

https://www.youtube.com/watch?v=WUAQBV52bNU

https://www.youtube.com/watch?v=7F3v0BbIkfc

 

5 Formas de Conseguir Investimento para o seu Projeto

Quantas vezes você já elaborou um projeto e não teve dinheiro para realiza-lo? 

Investimento é algo muitas vezes difícil de conseguir, porém, cada vez mais surgem novas formas de captar esse recurso indispensável para a concretização da sua empresa!

Juntamos uma lista de possibilidades para que você possa entender cada uma e perceber qual a melhor opção para seu projeto!

 

Investidor-Anjo

Dependendo do Projeto, um investidor-anjo pode ser uma ótima opção! 

Eles se tornam sócios investidores do seu negócio e, muitas vezes, grandes mentores. Especializam-se em apoiar projetos em fase inicial e, por entenderem do mercado alvo, procuram empresas que, para eles, possuem capacidade de seguir a tendência crescente.

 

Capital Semente

Um ou mais grupos interessados investem os fundos necessários para o início do negócio, de maneira que ele tenha fundos suficientes para se sustentar até atingir um estado onde consiga se manter financeiramente sozinho ou receba novos aportes financeiros.

 

Venture Capital

Essa forma de financiamento consiste na compra de participação acionária, por tempo pré-determinado, em empresas de pequeno e médio porte.

 

Crowdfunding (Investimento Coletivo)

O objetivo é reunir diversas pessoas que possam colaborar com pequenas quantias e, assim, viabilizar a ideia. Recebendo, ou não, uma contrapartida por isto. Essa é uma forma rápida e relativamente simples de captar valores para a execução de uma ideia ou projeto de apelo popular, com uma baixa contrapartida.

 

Subvenções, Editais e Bolsa

Oferecido muitas vezes pelo governo, os editais são incentivos vindos da união que são oferecidos para projetos que atendem requisitos específicos (esses requisitos diferem de acordo com a procura de cada orgão ou empresa que lança o edital).  Há vários editais e bolsas que apoiam projetos como: Apresentaçoes Culturais, Startups, ONGs, entre outros. 

 

Conseguiu entender melhor os tipos de apoio que existem? Agora é sua vez de tirar o seu projeto do papel! 

 

Links Referêciais: